sexta-feira, 24 de abril de 2015

Um dia lindo...


“Surfcasting”
Boas amigos!
Neste episódio de pesca combinei com o Mestre Sílvio e fomos fazer uma pesca durante o dia na praia. As condições eram propícias a apanhar uns pexecos, o mar esse estava a entrar ainda e prometia chatear no final da jornada com umas rajadas de vento bem fortes. A alternativa neste dia era ou apanhar vento nas barbas ou ficar em casa, como eu estava de folga e não tínhamos nada para fazer arriscarmos e fomos para a faina.


A dupla de serviço


A pesca começou com um dia maravilhoso muito nublado e ventoso a prometer chuva, um dia de sonho lindo mesmo, sem qualquer actividade por parte do peixe e com um mar ainda fraco íamos tentando a nossa sorte, passado um par de horas o vento anunciado começava a vir mesmo de frente e com ele iam entrando alguns pexecos aceitáveis e muitos anões também, os anões iam sendo devolvidos e volta e meia aproveitava-se um peixe ou outro.


O Gavião a esticá-la lá para fora…


Com o vento contra os lançamentos tornavam-se difíceis…





O total das nossas capturas na 1º fase da pesca
Não havia muito tempo para relaxar pois os anões não davam descanso e tínhamos de espreitar as iscadas regularmente, as horas foram passando e era altura de sacar uma foto ao peixe capturado até então e “levantar ferro”


Com o material já meio encaminhado para irmos embora, sentámos para comer uma bucha e na brincadeira começamos a falar em aguentar para fazermos a viragem da maré, ainda tínhamos bastante isco e não havia obrigações a cumprir, deixámos o tempo ir passando e adormecemos no areal. Quando acordamos o vento era menos e aí sim decidimos mesmo ficar…


Cinnetic Cyclone Black


Nesta 2º fase repetia-se a mesma actividade, um pouco fraca e com os anões a destruírem as iscadas, volta e meia íamos aproveitando um peixe mas nada de especial. Foi então já de noite e cansados que resolvemos mesmo vir embora com mais alguns pexecos que já não entraram para a foto de grupo, mais ou menos uma dezena talvez entre os dois…


O Gavião Sílvio anda de mão quente e para além de ter feito uma pesca bem melhor que a minha ainda teve direito a esta baila que ultrapassava já o kilo.


O Sílvio ainda teve paciência para tirar mais uma foto ao total da sua pesca já em casa…
Abraço e força aí pessoal.


Material utilizado

Canas:  Cinnetic Cyclone Black 4,25
               Cinnetic Sky Line 4,25
Carretos:  Cinnetic Cayman Black Evolution 7000
               Cinnetic Cyclone Black 7000
Linhas:  Skyline da Cinnetic 

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Cinnetic Sky Line

Boas pessoal do Surfcasting!
Hoje vou apresentar-vos uma cana que tenho levado nas últimas saídas e que me vai acompanhar nas próximas também…
Trata-se da “Sky Line extra sensitive” da Cinnetic. Uma cana um pouco parecida com a “CycloneBlack sensi surf” de acção semi parabólica e muito fácil de lançar sem exigir grande técnica, cana leve com uma ponteira bastante sensível para uma cana tubular e que marca bem o peixe…
De cor azul intenso e com um blank fino, encaixes reforçados, equipada com componentes Fuji e construída em carbono de alto modulo combinado com um design elegante transmite a primeira boa impressão e vontade de pescar com ela…

Uma cana que promete uma boa prestação com diferentes tipos de mar sem “partir” as costas do pescador mesmo quando puxamos um pouco mais por ela ou pescamos durante muitas horas, tem uma pintura áspera na zona de união entre elementos para ajudar no encaixe e desencaixe da mesma.
Esta é a versão tubular mas também existe a versão híbrida como em todos os modelos de canas de Surfcasting da Cinnetic.


Características:
Comprimento: 4,25 m
Peso: 511g
Acção: 113-210 g
Passadores: Fuji low rider (7)
Porta carretos: Fuji DPS
Carbono: Alto módulo (24 Tones)




















Punho em Eva de alta densidade






quinta-feira, 2 de abril de 2015

Robalo Primaveril

“Spinning”
Boas amigos!
Como o peixe comprido anda ausente na Costa Vicentina resolvi fazer umas investidas aqui perto de casa, com os dias a aquecerem bem nesta primavera e temperaturas a atingirem 28º graus no mês de Março fui a um cantinho onde volta e meia sai um robalote para lavar a vista. Estava de folga e era uma pesca só para passar o tempo e fazer a maré para o petisco, então decidi que não valia a pena levantar-me cedo. Quando cheguei havia dois cavalheiros na idade da reforma que já estavam de saída e disseram-me que não havia nada “Ok é da maneira que também não me faço velho” pensei eu…
Neste pesqueiro normalmente pesco com vinis, tinha em mente pescar cerca de 1h e ir trocando entre aqueles três vinis que tinha escolhido para aquela cor de água… 


Foi já com bastantes lançamentos feitos que levei uma porrada e ferrei o peixe, um peso morto com pequenos toques era meio estranho, mais tarde percebi o porquê do peixe não fazer força pois tinha engolido literalmente o vinil e estava embuchado o que me deu algum trabalho a tira-lo da boca do magano… Após essa operação ainda insisti com mais alguns lançamentos mas o resultado estava arrumado, eram horas de guardar o material e ir em busca do petisco que tinha em mente (conquilhas)

Material utilizado
Cana:  Cinnetic Crafty Sea bass 2,70m
Carreto:  Cinnetic Cautiva 4500
Linhas: multi 0,18 com chicote 0,40 Skyline da Cinnetic
Artificial: Vinil


Apanhei o suficiente para o petisco e vim embora…


A Primavera por aqui é bonita mas curta, pois as temperaturas passam dos 18º para os 28º graus e daqui por uns dias está tudo seco….




Divirtam-se na pesca com ou sem peixe e não deixem lixo nos pesqueiros.
Saúde e força aí pessoal.


quinta-feira, 26 de março de 2015

O Robaleco da recompensa


“Spinning”
Boas amigos!
Um dia destes preparei-me para ir fazer dois dias de spinning e o Gavião Sílvio foi lá ter comigo. O Sílvio ofereceu-se para levar uma massinha de robalo e eu disse logo que sim, pois a ultima que tinha levado era de sargo e estava bastante boa, eu levei uns bolos de um aniversário que tinham sobrado aqui de casa e fizemos o banquete.
Depois de aconchegar o estômago com aquela massinha de peixe quentinha marfamos uns bolos com um café e um medronho que o Sílvio tinha levado e fomos à faina.


Por lá andamos algumas horas a mandar umas varadas mas o peixe não dava sinal, já com o desespero e sem saber o que fazer meto uma amostra que tinha na caixa e lancei para uma zona de pedras a ver se a perdia, pois nem sei onde estava com a cabeça quando comprei aquela amostra e nunca me tinha dado um peixe. Lançamento forte para cima das pedras duas maniveladas e toma já tá presa hehehehe fiquei todo contente que ia perder aquele bocado de plástico que me estava a ocupar um lugar na caixa das amostras e nunca me tinha tirado um peixe…isto foi um instante de dois segundos e a pedra arranca mar adentro eu ainda nem me tinha apercebido bem da situação, qual pedra qual quê o peixe estava bruto e começou a debater-se com todas as forças até que passado algum tempo abranda e começo a recuperar aos poucos até o encostar à margem e aproveitei uma ondeca que o metesse cá para fora mas o velhaco deu umas cambalhotas e soltou-se, só tive tempo de acender a luz e ver uma coisa brilhante no meio das pedras ao mesmo tempo que vem uma espuma e lá se foi o velhaco, foi tudo tão rápido que nem deu tempo de fazer nada… a seguir vem a pior sensação que um pescador de spinning pode sentir, uma sensação que nos deixa completamente derrotados, quem já perdeu peixe bom aos pés sabe do que estou a falar, vou verificar se alguma fateixa tinha aberto, por acaso até não e foi quando vi a amostra que tinha pois com aquele stress todo já nem me lembrava da amostra que tinha ferrado o peixe… As horas passaram e sem sinal de peixe fomos dormir um pouco com o despertador para as 6h da manhã, íamos atacar num laredo que ficava perto.


Toca o despertador abro a janela da carrinha e chamo Síííííííííííííííííílvio!!!!!  
Sílvio: HOMMMMMM
Eu: São 6h!!!   Bora
Sílvio: HOMMMMMM
Eu: O quê!!!!!
Sílvio: HOMMMMMM
Eu: Tou F#%&” com este gajo eu!!! Bóóóóra C #%&#”
Sílvio: HOMMMMMMM

Bom não vale a pena pensei eu, nem com uma grua eu consigo tirar este gajo da cama, estava um frio do caraças mas já tinha despertado e não ia ficar ali na carrinha só por causa do frio, peguei no material e lá fui descendo o laredo com a luz acesa para ver onde metia os pés, cheguei lá abaixo começo a varrer a zona e a trocar de amostras, foi já com alguma claridade que ferrei o peixe que seria o prémio por tanto sacrifício. Faço mais uns lançamentos não sinto mais nada, foto da praxe e vou pra cima.
Quando chego lá em cima Sííííííííííílvio!!!!!!
HOMMMMMM
Porrrrrra ainda dormes!!!! Vens pá pesca pa dormir!!
Hahahahahahaha

Divirtam-se e não deixem lixo nos pesqueiros, se possível ainda tragam algum que tenha sido lá deixado pelos anormais…
Abraço e força aí pessoal…

Material utilizado
Cana:  Cinnetic Crafty Sea bass 2,70m
Carreto:  Cinnetic Cautiva 4500
Linhas: multi 0,18 com chicote 0,50 Skyline da Cinnetic
Artificiais: jerkbait


O material utilizado aqui foi a faca


A primavera está aí…







sexta-feira, 20 de março de 2015

Cinnetic Crafty Sea bass 2,70m - parte 2

Boas amigos!
Quando vos apresentei a Crafty Sea Bass Light game da Cinnetic fiquei de vos dar uma opinião mais detalhada sobre ela em acção de pesca. Hoje aproveito para responder a alguns leitores que me fizeram algumas perguntas sobre ela.


Sendo uma cana de 2,70m de comprimento e 199g de peso com uma acção de 15-42g tinha como finalidade a pesca com pequenos vinis e passeantes.
O seu desempenho com vinis entre as 15 e as 30 g é excelente, pois ela tanto lança bem as 15g como as 30g, como eu gosto de trabalhar um vinil com pequenos toques de ponteira e sendo uma cana curta e leve mesmo depois de algumas horas não noto cansaço algum no pulso ou no ombro como quando pesco com uma cana maior e mais pesada.


Falando agora um pouco do seu desempenho com amostras de superfície neste caso os passeantes até às 30g que são os mais usados por mim, efectua uns lançamentos certeiros e dá gosto trabalhar estas amostras com uns toques de ponteira energéticos, até mesmo quando se faz o “walk the dog” 


Não sendo o meu objectivo no início usar a Crafty Sea Bass para pescar na praia não perdi a oportunidade de testa-la também neste terreno e fiquei surpreendido com o seu desempenho, pois para além de “disparar” bem os jerkbaits que costumo usar desde as 13g até às 35g e sendo uma cana mais curta e leve que a que eu usava de 3,60m chego ao final de uma sessão de spinning muito menos cansado em termos de ombros e costas.


Depois de usar esta cana durante alguns meses posso dizer que estou muito satisfeito com o seu desempenho em todos os aspectos, é macia tem um punho bastante confortável faz uns lançamentos bastante suaves e certeiros, vem equipada com componentes Fuji e carbono de alta qualidade e obedece na perfeição a três tipos de artificiais (vinis, passeantes e jerkbaits)
Já fez capturas de peixes de kilo até peixes de 4 kg e mostrou-se firme no momento da ferragem, é mais leve e mais fácil de transportar do que uma cana de 3,60m o que por vezes dá jeito, sendo ela uma cana bastante sensível transmite ao pescador um prazer enorme na altura de lutar com o peixe até mesmo com exemplares de pequeno porte…


No entanto há pescas mais exigentes em pesqueiros de pedra em que não pescamos ao nível do mar e que requerem canas maiores e mais fortes que suportem na perfeição outro tipo de artificiais mais pesados e que permita conduzir melhor o peixe e as amostras por entre as pedras, aí já dou preferência a uma cana de 3,30m ou 3,60m com mais acção.
Cabe a cada um escolher a “arma” que vai usar consoante a morfologia do pesqueiro…
Abraço e boas varadas.



segunda-feira, 16 de março de 2015

Cinnetic na praia do Garrão

Foi no passado sábado dia 14 de Março que a Silpro fishing distribuidor da Cinnetic em Portugal disponibilizou a sua actual colecção de canas de Surfcasting  de 2015 para os amantes desta modalidade poderem experimentar as mesmas.

O encontro teve lugar na praia do Garrão no Algarve durante a manhã.
Quantos pescadores vão à loja para comprar uma cana e ficam apaixonados pela cana X. No entanto na altura de a lançar e trabalhar com ela chegam à conclusão que não era bem aquela cana que procuram, um momento que seria de grande alegria e prazer torna-se num pesadelo. A mim já me aconteceu isso, depois surgem outras chatices como ter de vender a cana e perder dinheiro. Foi a pensar nestas situações que a Silpro fishing pôs em prática esta ideia sem qualquer compromisso para os interessados.
Aproveito para relembrar que as canas de Surfcasting da Cinnetic existem no mesmo modelo as duas versões, hibrida e tubular.

Ficam aqui algumas fotos desta sessão, força aí pessoal…

Hélio Chora


Paulo Prudencio


Vasco Cavaco


Troca de opiniões


Sílvio Pinto


Éhhh mestre Sílvio cuidado com o avião!!!!!!


Espectadores e fotografo


Troca de opiniões


Heldinho


Duarte Badis


Pedro Nunes


Staff


Algumas das canas que estiveram presentes na demonstração

Black Star

Cayman Evolution

Cautiva

Cyclone Black

Sky Line


Silpro Fishing