quarta-feira, 30 de Abril de 2014

Mista


“Surfcasting”
Olá amigos!
Andava atento às previsões para este dia. Levantei-me às 5h e meti-me a caminho do local pretendido, cheguei ainda de noite e com a ajuda da lanterna comecei a montar canas para começar a pescar ao nascer do dia. Amanheceu nublado e com um mar de feição para dar uns peixes no local. Comecei por apanhar uns robalotes, alguns dos quais devolvidos mas ainda consegui guardar dois, a seguir começaram a sair uns sargos de bom tamanho e umas bailas, algumas devolvidas por serem demasiado pequenas.
Foi uma manhã bem entretida com boas capturas e algumas devoluções, ao meio dia dei por terminada a jornada pois o mar já tinha caído e o sol aquecia e bem, era hora de regressar a casa com uma jornada produtiva.





Este Sargalhão foi a vedeta da jornada acusando 1.550Kg e bati mais um recorde no que diz respeito a Sargos



Quando dei por terminada a jornada de pesca já se encontravam alguns pescadores no local que chegaram já tarde e não apanharam nada, como não gosto de mostrar o meu pescado parei numa ribeira ali perto para lavar o peixe à sombra dumas árvores...


Uma mista de 8 Kg entre Sargos, Bailas e Robalotes...


Parece que o nosso querido governo agora também quer aplicar uma taxa adicional sobre o sal, vejam bem que estes gajos sonham de noite para contar de dia, ou então andam a fumar daquela merda a montes...
Então decidi juntar este montinho de sal para salgar o peixe dos próximos anos, ou então qualquer dia destes nem sal podemos por no peixe...
Saúde e boas varadas pessoal.



quarta-feira, 16 de Abril de 2014

A culpa foi do cego


“Surfcasting”
O tempo andava instável e tinha chovido bastante na noite passada, o dia prometia chuva vento moderado e mar forte. As condições estavam quase perfeitas para um excelente dia de Surfcasting. Na véspera deixei tudo preparado e de manhã arranquei em direcção ao pesqueiro, escolhi um sítio que me agradava e foi ali que montei o material para fazer esta jornada. Bem cedo me apercebi que o vento estava chato e ia ser o meu companheiro durante aquele dia, o mar corria bastante e tinha muito lixo. Linhas na água e em dez minutos ficaram cheias de limo e pequenos ramos de árvores que eram trazidos pela forte corrente, este cenário repetiu-se durante as três primeiras horas de enchente. O céu carregou bem e a chuva não demorou a chegar também…



Pensava já em desistir quando capturei um belo Sargo, andaria na casa das 800g. Esta captura deu-me algum alento para continuar mais um pouco mas as chumbadas de 180g e 150g que estava a usar naquele dia eram as melhores que tinha comigo para aquelas condições e mesmo assim em dez minutos o mar metia-as cá fora cheias de lixo.
Fui guardar o peixe quando reparei que era cego de um olho “eu logo vi que isto trazia agua no bico” recolho uma cana para arrumar e é quando trago outro Sargo kileiro “bom cada vez que penso em ir embora tiro um peixe!!!” Fui logo ver se este era cego também mas não, este tinha os dois olhos  hehehehehe…
Naquela hora da maré já lançava a segunda cana metia-a no suporte onde estava a primeira e recolhia a primeira, levava dez minutos a tirar lixo iscava e quando a lançava já tinha de recuperar a outra. Rodava as canas uma de cada vez no mesmo suporte, volta e meia tirava um Sargo kileiro e alguns mais pequenos que eram devolvidos, quando o mar começou a quebrar e deixou pescar com boas condições NEM MAIS um peixe que senti…
A pesca tem destas coisas e a insistência por vezes dá os seus resultados.



Sete Sargos 6 Kg, tendo o maior 1,4 kg é o meu maior até à data...



Tenho andado numa guerra incansável com os fios que uso nos carretos de praia, actualmente estou a usar num dos carretos o SKY LINE da Cinnetic na medida 0,18mm. Estou bastante satisfeito, acho que é uma linha bastante sedosa e macia o que permite uma boa saída, com uma resistência superior a alguns 0,20mm de outras marcas que usei anteriormente, o chicote que lhe dei é um 0,20 – 0,57mm da Cinnetic também (claro que um 0,18 – 0,57 seria o ideal mas de momento não havia e não sendo uma diferença significativa junta muito bem) para além disso tem uma boa resistência ao nó. Em relação ainda ao “chicote” penso que o terminal 0,57mm é um pouco exagerado, o ideal seria um 0,50mm na minha opinião…



Saúde e bons lances a todos.

segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Peixe e Carne


“Spinning”
Mais uma vez lá fui eu em busca da sorte.
A primeira paragem no café e sai uma fatia dourada e um cafezinho para despertar.
Já a caminho do pesqueiro salta-me uma coisa para o meio da estrada e leva uma porradinha, parei a carrinha e vou ver era uma lebrezinha ainda nova “oh porra pelo menos que fosse uma grande ou então um coelhinho, mas já agora vens comigo” pelo menos já tinha safo o chibo antes de começar a pescar hehehehe
Desço ao pesqueiro luz fusco e começo a pescar, depois de apanhar e devolver dois robalitos pequeninos ainda consegui escolher estes dois já kileiros para trazer comigo.
O sol já espreitava bem e parei a pesca por ali.



Desta vez deu peixe e carne



 Nessa noite fui para outra zona tentar a sorte e dei com um peixe já melhorzinho mas nada de especial e era filho único.


Numa hora da maré mais parada a fome já apertava e preparei uma boa feijoada para aquecer e dar energia, e bem boa que estava…



Quando ia a caminho do pesqueiro passei por um faval que estava carregado de favas, até já batiam no chão com o peso. Aquilo ficou-me na cabeça e quando regressei a meio da noite parei para dar uma olhadela e até me partiu o coração de ver tal situação, então na boa fé resolvi aliviar umas pernadas para que não se partissem com o peso, fiquei de consciência tranquila pois pelo menos fiz uma boa acção e trouxe mais alguma coisa para o almoço :)



Já em casa resolvi escalar um robaleco para o jantar que estava mesmo bom.
Saúde da boa pessoal e força aí.

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Três a conta que Deus fez...

“Spinning”

Boas amigos!
Nestes dias aproveitei uma quebra de mar para fazer mais uma maratona. O Gavião Manel e o Mata chibos Cristóvão eram para se juntar a mim mas à última da hora resolveram ir para outras paragens. Cheguei à zona e dirigi-me ao spot pretendido, qual foi o meu espanto quando chego ao pesqueiro e já lá estavam dois gajos a pescar de surfcasting “épa não acredito estes gajos do surfcasting estão por todo lado parece uma praga hehehehe” Bom mudei de planos e fui para outro spot onde tinha passado antes e até me pareceu bastante bom, mas já ia um pouco atrasado para a hora que eu queria atacar, montei material e comecei a “pentear” a zona e não demorou muito até ferrar o primeiro, um peixe de Kg bem prateadinho, vou arrumar o bichinho e quando volto passado pouco tempo sai o segundo, este já tinha 2 kilinhos e era brincalhão, mais um para o ceirão e mais uns lançamentos e toma “olá este já fala a minha língua” um belo peixe de 3 kilinhos, arrumo o gajo com os outros e volto aos lançamentos muito contente quando me lembrei “epá já tenho três!!!! Normalmente nunca passa dos três, o melhor é arrumar a tralha e ir embora” e de repente toma mais um bom peixe a vergar a cana “uai queres ver que é hoje que subo o degrau” era um bom peixe que se debatia bem e aos poucos veio até aos meus pés, mas o velhaco treinava salto em altura e quando lhe vou jogar a mão o peixe salta e fico com a amostra espetada do wader e o peixe a estrebuchar sem parar, começou o stress com um peixe na casa dos 3kg pendurado na minha perna e eu sozinho no fim do mundo sem ninguém para me ajudar, com um palmo de agua e uma mão a segurar a cana a outra pouco podia fazer e passados alguns segundos o peixe abre a argola da amostra e cai na agua, restou-me apenas olhar para aquele belo peixe arrancar direito ao Oceano e com um piercing na boca.

Na altura a minha liberdade de movimentos era pouca pois tinha uma amostra espetada no wader do lado de dentro da perna e tinha receio de a espetar na outra perna, fui para uma zona seca onde perdi cerca de vinte minutos a tirar a fateixa do wader com cuidado para não o danificar ainda mais e tive a substituir fateixas e argolas, nesta altura já suava por todos os lados “porra logo hoje que dou com uns peixes tinha de me acontecer esta mer……a”

Volto à carga novamente e o mais provável aconteceu claro, faço três lançamentos e a perna fica cheia de água “tava a irritação má junta cá areia” completamente encharcado vou até ao carro que estava mais longe “cá sogra do Zé Bento” como Lobo prevenido vale por uma alcateia inteira vesti umas calças de fato treino secas e um wader suplente que levo sempre comigo nas maratonas. Quando regresso à zona de ataque o mais provável acontecia outra vez, com aqueles stresses todos passou muito tempo e depois de ter executado uma vintena de lançamentos verifiquei que o peixe já lá não estava, afinal ainda não foi neste dia que dei com um bom cardume… Aquele desgraçado fura-me o wader e ainda por cima foi-se embora, apesar de ter feito uma boa pesca fiquei chateado com aquela situação.


(amigo Cristóvão este foi o dia em que tu dizes que eu fui pá piscina e tu apanhaste o paralítico, se eu não tivesse tido este azar logo te dizia como é que era a piscina  :))))


Três a conta que Deus fez...


No dia seguinte aproveitei para fazer a maré e apanhar uns percebes para trazer para casa e ainda fui visitar alguns spots e tirei umas fotos à primavera que está bastante bonita por aqui…







Nesta altura do ano e durante o dia dá sempre para lavar a vista com as cores da Primavera a invadir os campos e falésias







À noite volto para fazer outra investida mas quando chego ao spot já lá estavam dois gajos de canas espetadas a fazer surfcasting “Outra vez a mesma conversa!!!!  Já o burro nã vai direito”  Estes gajos do Surfcasting andam sempre a dificultar-me a vida. Bom lá fui para o outro spot tentar a minha sorte, mas desta vez e apesar de estar lá bastante tempo apenas saiu este kileiro.
Saúde da boa e boas varadas.

domingo, 23 de Março de 2014

O mar abrandou e o Lobo não facilitou...

“Spinning & Surfcasting”
Boas pessoal, havia uns dias que andava em cima das previsões e comecei a estudar um plano de ataque. Orientei mantimentos e o material e fiz-me à estrada para fazer uma maratona de três dias, os companheiros do costume desta vez não me acompanharam por vários motivos…
Na primeira investida que foi ao spinning ainda vacilei em escolher entre dois ou três spots, mas parece que acertei e tirei estes dois peixes bem bons.




Aproveitei para ver como estavam alguns pesqueiros depois de tanto mar, e sítios que eu conheço tão bem estavam quase irreconhecíveis, como esta praia em que tanta areia havia por aqui, senti-me como se tivesse a procurar novos locais de pesca…



Algumas voltinhas da praxe e comecei a pensar no próximo ataque logo à noite, tinha planeado um surfcasting com o Gavião Sílvio mas ele não pode comparecer, então mudei de planos e fui fazer mais um spinning onde dei com este robalote kileiro.



Uma sopa quentinha por vezes vem mesmo a calhar nestas maratonas.



Durante este inverno tive muito tempo para inventar coisas novas e uma delas foi fazer obras na carroça, tirei o banco do pendura e o assento de trás, endireitei o pavimento com algumas toalhas de praia e meti um colchão tripartido. Com o cabelo aparadinho e as unhas dos pés curtinhas é mesmo à conta. Com aquecimento e música ambiente para quê mais, essas velhas que alugam quartos a vinte paus por noite nunca mais me enganam não…




No dia seguinte era para acordar bem cedo então procurei um sítio calmo para descansar e às 5:30 da manhã estava no café a beber um café com uma fatia dourada ainda quentinha. Rumei ao pesqueiro e fui espreitar o mar ainda de noite, sem conseguir ver praticamente nada só ouvia o barulho do mar e pareceu-me um pouco forte. Como tinha ido ali de propósito e tão cedo pensei “que se lixe, já que estou aqui bora lá”


Vesti o fato dentro da carrinha e comecei a descer a falésia ainda de noite com a ajuda da lanterna, passo a passo e com muito cuidado pouco depois estava lá em baixo. Realmente o mar estava um pouco forte, escolhi uma amostra que agarrasse mais mar e comecei a bater a zona, não demorou muito até que de repente a cana vergou toda e começou o desafio, ali não se pode dar muita liberdade ao peixe ou então arriscamo-nos a perde-lo nas pedras, é meter o velhaco ao de cimo de água e reboca-lo aproveitando a ajuda das ondas.


Para aqueles meninos que gostam de pescar em frente ao carro!
Esqueçam, estes pesqueiros são para malta rija...


Aproveitei o dia para secar o material e descansar enquanto pensava na próxima investida, estava eu no cimo de uma falésia quando me aparecem dois artistas hahahaha os “marafados” também andavam no terreno à procura deles. Era o Paulo “PJ” e o Nuno Caçorino, ainda tivemos um bom bocado à conversa até que eles foram à vida deles e eu à minha…


Desta vez escolhi um pesqueiro para fazer uma pesca ao “reboliço” da praia com a cana na mão, embora não tenha aparecido nenhum grande ainda saiu um robaleco kileiro e dois sarguecos.
Já tinha saudades de uma maratona destas mas era hora de rumar a casa que o mar e o vento iam subir novamente.
Abraço a todos e bons lances.

terça-feira, 11 de Março de 2014

O Levante entrou e o Lobo atacou...

“Surfcasting”

Com o levante que se tem feito sentir aqui no Sul, comecei a pensar numa investida aqui perto de casa. Uma constipação daquelas que quer jogar um gajo a baixo a todo o custo incomodava-me de tal maneira que cancelei a investida… Ainda desafiei o Gavião Manel mas não lhe dava jeito acompanhar-me. Foi então que me lembrei, já no último levante que teve andei para aqui meio combalido, estas coisas dão que pensar “porra este ano custa a pegar de levante e quando pega estou sempre com o esqueleto empanado, nada disso agora é que vou mesmo” foi só fazer umas sandécas e lá vai ele, pois o resto já estava tudo arrumado do dia anterior…


Cheguei ao spot o mar estava bom mas com a água tapada coisa que não gosto muito, menos ainda para pescar à noite, procurei uma zona que me agradasse e montei as canas. Desta vez não havia “roama” e o isco voltava sempre intacto, estava no bom caminho para se apanhar um peixe bom e não tardou muito a aparecer. A cana bate com força e o peixe começa a correr para a direita até chegar à rebentação que estava um pouco forte, aí tive de trabalhar o velhaco com cuidado e esperar pela oportunidade de o rebocar para cima, pois estava a pescar com um 0,20 no carreto e o nó do chicote andava ali nos passadores para cima e para baixo e não havia meio de conseguir fazê-lo entrar no carreto . “Bom já valeu a pena o esforço pensei eu” entusiasmado e sempre atento às canas nem mais um toque que vi até chegar a hora de me vir embora e este Sr. Sargo já com 1,250 Kg quase me arrancava a cana do suporte. Pena não ter aparecido mais uns pexecos para ir animando a sessão, mas também não me posso queixar, agora se eu soubesse a seguir ao Robalo tinha era vindo logo para casa :)
Abraço e boas varadas.


O matateu com 1250 Kg

domingo, 2 de Março de 2014

A noite da chouriça

“Spinning”
Boas amigos!
Um dia destes combinei com a malta do costume fazer uma spinnada aqui perto de casa, como eram poucos Kms cada um foi no seu carro e aos poucos lá foram chegando. Comecei eu o Gavião Manel e o Jorge (irmão do Gavião Sílvio) mais tarde chega o Sílvio e depois o Cristóvão (mata raposas)

O mar apresentava-se favorável para corricar e comecei por pescar com amostras mas logo depois resolvi trocar para vinis, e foi com um destes vinis que passado pouco tempo tive um ataque e ferrei o peixe pelo queixo, apesar de não ser um grande exemplar serviu para brincar um pouco. O tempo passou e fizemos uma pausa para conversar e assar uma chouriça à Lobo que eu levei e juntamos ao pão caseiro do Manel que estava um luxo…


Depois de confortar a barriga com a chouriça assada e uns dedos de conversa alguns tiraram vinte minutos para dormir e lá fomos fazer mais uma investida para acabar a noite, mas não apareceu mais qualquer peixe para ninguém… Foi então que resolvemos arrumar e ir para casa.

O mar forte teima em não abandonar a Costa Norte e torna-se difícil capturar qualquer exemplar, por um lado estas condições adversas vão ter aspectos positivos no futuro e o nosso amigo Robalo está a beneficiar com elas para que a espécie se multiplique e nos próximos anos todos nós tenhamos boas capturas.



Os garganeiros estavam à espera da chouriça do Lobo



Eu fui o único felizardo a tirar um pexeco, embora não seja um grande exemplar já deu para brincar...
Saúde da boa e bons lances.